Papo Profissional

Quem você está tentando agradar?

3fdf31f5d1c1491f5a6b96f7004d2dfc

Quando descobrimos que vamos ser mães, nossa vida dá uma reviravolta e tudo toma um outro olhar, buscamos o máximo de informações, tentando incansavelmente aprender o máximo de técnicas e conceitos que nos tornem uma boa mãe… E finalmente chega o grande dia, você pesquisou se informou e decidiu pelo melhor tipo de parto, o médico de confiança, escolheu o nome de sua preferência e o quarto ficou pronto, do jeitinho que você sempre sonhou… Mas, será que é mesmo assim?

Se você é mãe é provável que estejas há dias, há meses, há anos tentando agradar algo ou alguém, mas vou te perguntar, quantas das suas escolhas foram única e exclusivamente moldadas por você? Me atrevo a dizer que pouquíssimas ou nenhuma…

Aquele não era o momento que você queria um filho, mas o seu companheiro achava que sim. Talvez a gravidez tenha sido inesperada, mas você decidiu ter o bebê, porque isso era o certo a se fazer. Você optou por um parto natural humanizado, porque era o melhor tipo de parto, ou foi para uma cesariana porque o médico disse que era mais seguro para vocês e a propósito você chegou até esse médico que é de extrema confiança através de uma amiga que o conheceu por outra amiga. O seu filho acabou tendo um nome composto porque sua mãe ou sua avó queriam que você homenageasse aquele tio que você nunca conheceu. E o quarto acabou sendo verde com laranja, porque aquela revista famosa disse que era última tendência nos quartos mais sofisticados de bebê e mesmo você não gostando da combinação, você acabou cedendo, já que aquele editorial era conceituado e não podia se enganar. Percebe onde eu quero chegar? E aí a pergunta que não quer calar vem à tona mais uma vez: Mamãe, quem você está tentando agradar? Há quanto tempo você não realiza algo que seja totalmente ao seu gosto? Quem está conduzindo o seu maternar?

Todos os dias centenas de milhares de mães terminam os dias frustradas, porque o seu filho não corresponde as expectativas daquele livro conceituadíssimo que dizia ser infalível nas indicações de como criar. Centenas e milhares de mães se sentem péssimas, pelo seu bebê de dois meses não dormir uma noite inteira, enquanto outras se cobram por não ter disposição de voltar logo a academia, afinal aquela revista mostrou uma foto de uma recém mãe que com 15 dias já estava praticamente no seu antigo corpo, outras culpam-se por não conseguir amamentar exclusivamente até os seis meses e ainda há quem não leve o menor jeito para preparar papinhas tradicionais. E diante desse mundo materno, sofremos e nos frustramos. Passamos a desejar uma maternagem ideal, projetada pelo outro. E não que isso seja errado, ou anormal, todas buscamos referência de algo ou alguém, mas é importante que você faça as suas próprias escolhas, ou pelo menos que você tente fazê-las.

Tudo bem se você não gosta das cores do momento, tudo bem se o método de introdução alimentar da moda não te agrada, tudo bem se você não ficou feliz de imediato com a sua gravidez, tudo bem se você optou por farmacologia tradicional ao invés de homeopatia, nem todas somos iguais, nossos filhos não são iguais, o que é bom para a escritora do livro conceituado pode não ser bom pra vocês, o importante é traçar o seu próprio caminhar na maternidade de acordo com o que é melhor para vocês, respeitando tua singularidade, afinal somos todas mães e o que queremos é apenas o melhor para nossos filhos, não é?