Papo de Mãe

18 Meses…

Escrevi um pequeno resumo sobre coisas relacionadas aos nossos 18 meses, completados hoje!
Peso e medida aproximados do meu príncipe:

Nascimento – 45 cm e 3,140 kg
Atualmente – 82 cm e  12,850 kg de pura gostosura!

Ajuda…
O melhor conselho que tive logo quando descobri que estava grávida foi: LEIA MUITO, MAS CUIDADO COM O QUE LER! Essas palavras fizeram toda diferença, pois passei a questionar o que me era dito, buscava fontes seguras e confesso que ter vários amigos da área de saúde foi de grande ajuda! Eu tive orientação de todos os lados e a medida que alguns problemas foram surgindo eu recorria além dos livros a cada um deles. O suporte junto as pessoas certas e o apoio da minha família foram essenciais para que eu me reencontra-se.

O Parto…
Como a maioria eu tinha medo, a única certeza é que queria o melhor pra o meu filho e depois de muito ler e estudar, cheguei a conclusão que a gente já sabe, mas no meu caso por medo ainda buscava outras alternativas. Eu queria parto normal, queria parir o meu filho, mas também descobri que tudo na gravidez é imprevisível, uma bendita infecção denominada pielonefrite, acompanhada de febre alta e aumento de pressão, me fizeram ir parar em uma mesa de cirurgia, fui submetida a uma cesárea três dias depois do diagnóstico, no dia em que eu completava exatas 38 semanas…Chorei muito quando a médica conversou comigo, pois eu queria ter um parto normal, poxa! Contudo, como toda mãe eu presava pela segurança do meu filho, orei ao senhor pedindo que me desse um sinal de que o meu filho estava pronto pra vir ao mundo, pois eu queria respeitar o tempo dele… E eis que no dia, eu amanheço me sentindo muito estranha, fui no banheiro 1 milhão de vezes, pensava que era ansiedade, só que tinha algo errado, eu já estava de jejum desde a noite anterior, então o que era? Fiquei quietinha, meu parto iria acontecer no final da tarde, após o jogo do Brasil, aquele jogo que foi pra pênaltis, prorrogação, pois é, nesse jogo. E ao chegar no bloco cirúrgico peço mais uma vez pra ir ao banheiro, qual a minha surpresa em perceber que eu estava sangrando! Medo! Entrei na sala e relatei a minha médica o que havia ocorrido, conclusão: Eu estava em trabalho de parto! O meu filho estava pronto e o que eu achava ser xixi, era o meu líquido amniótico indo embora, era o momento do meu filho nascer, o sinal que eu tanto pedi a Deus e ele me deu! E eis que as 18:30h do dia 28 de junho de 2014, um sábado lindo, o meu príncipe chegou!

Ele e Eu…
Uma das minhas tristezas em ter tido um parto cesáreo é que não lembro bem das primeiras horas de vida do meu filho, lembro-me nitidamente do parto, mas depois que o Eric chorou e a pediatra o pegou tenho vagas lembranças… Não lembro do Eric vindo pra os meus braços a primeira vez, tenho uma vaga lembrança da primeira mamada, não sei se doeu, se ele mamou direito, se houve uma pega correta, definitivamente não lembro, o que sei é que tive uma coceira insuportável no corpo, mas principalmente no rosto, reação a anestesia… Mas do dia seguinte em diante, lembro como foi ter o meu filho nos meus braços, de como eu olhava fixamente pra aquele ser tão lindo e tão pequenino que era meu, me apaixonei quando coloquei ele pra mamar, era magnífico alimentar o meu filho!
Na segunda fomos pra casa e eu pude realmente começar a cuidar do meu filho, o primeiro banho dado por mim, trocá-lo, alimenta-lo e amá-lo. Um amor construído, não brotou instantaneamente como a maioria falava, mas que sei que vou sentir por toda a vida!
Nos primeiros dias o Eric era um recém-nascido tipo carrapato, rsrs. Se estivesse acordado tinha que estar mamando, com o passar dos dias as mamadas foram se espaçando e acontecendo a cada duas ou três horas e atualmente algumas poucas vezes ao dia, ele já se alimenta muito bem. Nos primeiros dias de vida dele, calculo que eu tenha passado umas 12 horas por dia amamentando… Ufa, ainda bem que foram só alguns dias, pois eram cansativos e naquele momento eu não sentia muito prazer em amamentar, mas hoje posso dizer que amo amamentar o meu filho, é o nosso momento, um momento único e lindo!

Apenas nós dois…
Era chegado o momento de encarar que éramos só nós dois… Os primeiros dias havia visitas, companhias, mas isso durou pouco. E foi chegando o momento de eu aprender que seríamos o Eric e eu. Temos alguns anjos da guarda, que foram presentes na minha gravidez, que nos ajudaram, mas como nada dura pra sempre, era chegada a hora de encarar a vida sem os nossos anjos por perto, sei que não estou completamente sozinha, tenho meus pais e minha família que são verdadeiras bênçãos de Deus em minha vida, mas a realidade é que todos sonhamos com uma família estruturada, um cantinho pra chamar de seu, tudo nos conformes, só que isso nem sempre acontece e é quando temos que aprender a lidar com nossa própria frustração…
Como é cuidar de um bebê sozinha? Cansativo! Mas é o melhor trabalho que eu poderia ter, cuidar do meu filho é a melhor coisa que tenho pra fazer nessa vida, mesmo eu estando com sono quase sempre, rs! O Eric até que dorme bem, se comparado com alguns relatos que eu escuto, no começo dormia cerca de 4hs seguidas e acordava pra mamar, hoje ele esta com o sono um pouco mais agitado, provavelmente devido aos dentinhos que estão pra nascer e as mudanças que ocorrem nessa fase…
Se vale a pena? Muito, eu daria a minha vida por ele, passaria tudo de novo e esperaria novamente cada dia para tê-lo em meus braços. Meu filho é a razão do meu viver e se um ano atrás eu pensava que não sabia o que fazer com ele, hoje sei que não saberia viver sem ele, a frase “Eu não existo longe de você!” faz todo o sentido quando olho pra ele!

E mais de 1 ano já se passou…

Nesse primeiro ano do resto de nossas vidas muita coisa aconteceu, rimos, choramos, brincamos, sofremos, aprendemos e acima de tudo, vivemos a nossa história de mãe e filho… Claro, que eu imaginava para nós uma história com todos os “personagens”, mas como praticamente tudo nessa vida é imprevisível, não aconteceu e ao longo desses 18 meses eu fui aprendendo a lidar e aceitar a nossa história. Cada mês ao longo do primeiro ano foi sempre comemorado, afinal era uma etapa vencida, pois por vezes achei que não conseguiria. Agora, é mais um marco para nós, 1 ano e meio, e a partir de agora “contagem regressiva” para que o Eric, deixe de ser um bebê e seja promovido a criança, aos 2 anos de idade. Nos últimos 18 meses, posso dizer que tive que me reconstruir e me reinventar, a cada dia temos sempre um novo desafio ou aprendizado, ainda tenho medo de falhar, mas olhando para o Eric creio que estou a acertar… Posso dizer que depois do Eric eu renasci para a vida, mas essa aflorou muito mais bonita!